segunda-feira, 27 de junho de 2016

Ester e Mardoqueu: em nome do rei
Ester voltou de novo à presença do rei e falou. Prostrada a seus pés, desfeita em lágrimas, lhe suplicava que destruísse as maquinações que Amã, tinha tramado contra os judeus. O rei estendeu o cetro de ouro a Ester, a qual se pôs de pé diante dele [...]. Escrevei, portanto, vós mesmos, em nome do rei, em favor dos judeus, como bem vos parecer e selai, com o selo real, porque toda ordem escrita em nome do rei e firmada com seu selo é irrevogável (Et 8).
O cristão é chamado a ser outro Cristo e sê-lo sempre. Isso significa que o falar, o ouvir, o olhar e o amar de um cristão, em seu agir devem ser conformes os do próprio Cristo!
Muitas pessoas perdem a vida a reclamar e murmurar, esquecendo-se de que, não só podem, mas que devem ser elas mesmas a mudança; assim perdem a graça maravilhosa que se oculta na "miudeza de cada instante"!
Diante de tais realidade o que têm Ester e Mardoqueu a ensinar com sua atitude?
Agir em nome do rei! Assuero concede a Ester e Mardoqueu a possibilidade de agir em seu nome, assim como outrora havia concedido a mesma dignidade a Amã. A diferença está nas atitudes de cada um diante do favor recebido.
A cada cristão o Senhor também concede a grande graça de agir em seu nome: SER OUTRO CRISTO! O que cada um fará com tamanha dignidade? E qual é o agir de Cristo, senão o amor?
Assim deveriam ser reconhecidos os cristãos: pelo amor, este deveria encher a vida e até transbordar em cada batizado!
Cabe a cada um questionar a si mesmo quanto ao que tem feito com a graça de "agir em nome do Rei"!

Nenhum comentário:

Postar um comentário