sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

9º Dia: Madre Ana Oblata do Menino Jesus.

 “Logo me irei deste mundo. Pedi a Jesus que tenha piedade da minha alma.”
         Alma inteiramente consagrada a Deus, a Madre Ana levou a sua oblação até o fim. Aquilo que ela aprendia pela contemplação estando aos pés do Senhor seja com os olhos na Gruta de Belém, seja aproximando-se do Coração Chagado, ela o praticava em cada pequeno ato e porque foi fiel no pouco, nos pequenos detalhes da vida quotidiana o Senhor lhe concedeu o muito “no seu rosto, ficava uma expressão de sorriso, fruto de uma certeza: entrar na plenitude da Riqueza, prometida a quem ‘perde a sua própria vida por causa do reino’ (Mt 16, 25). Eis o modo supremo de realizarmos a nossa oblação: “perder a própria vida” e disso toda a vida da Fundadora é expressão. “Ó meu caro Jesus, quanto me seria agradável e gaudioso dar por vós o sangue e a vida... mas como não me chamastes a países infiéis para ganhar a palma do martírio, a substituirei com as boas obras: com a humildade, com a pureza, com a paciência , com a caridade, com todas as virtudes.”
“As ‘convittrici’ devem ser luz do mundo e sal da terra, conhecer e fazer-se conhecer com a alma destacada de todos os interesses e fins mundanos, dedicadas unicamente à glória de Deus e ao benefício espiritual das almas reunidas pelo Sangue preciosíssimo de Jesus. Não devem estar imersas continuamente nos afazeres e ocupações mundanas, mas não devem também repousar-se sempre numa ininterrupta meditação... DCE 175)

Nenhum comentário:

Postar um comentário